{"html":"\ufeff\n30 de Julho de 2015<\/span>\n

Lan\u00e7amento do CD Vivendo e Aprendendo<\/h2>\n \n
\n

Cantor prova que é um romântico à moda antiga tanto nas composições quanto nos estilos que escolhe para seu repertório<\/strong><\/p>\n

 Apesar de estar sempre atento às tendências e fazer uso de novos elementos musicais, pode-se dizer que Eduardo Costa<\/strong> é um sertanejo à moda antiga que já veio, já ficou e, agora, com o lançamento de Vivendo a Aprendendo<\/strong>, prova que se consagrou . Como muitos dos antigos, ele valoriza a sonoridade sofisticada das melodias e o conteúdo das letras. Não é à toa que, para alcançar um resultado final de qualidade em seus trabalhos, faz questão de meter a mão na massa. Em seu 13o<\/span> álbum de carreira, lançado pela Sony Music, o cantor e compositor assina a produção e os arranjos junto a Romário Rodrigues e a autoria, sozinho ou com parceiros, de todas as músicas do disco, exceto da faixa bônus. Como alguns dos antigos que sempre admirou, Eduardo Costa<\/strong> abusa do romantismo em Vivendo e Aprendendo<\/strong>.<\/p>\n

 <\/p>\n

“Eu sou um cantor sertanejo porque sou do interior e não nego minhas raízes, mas acho que também sou um cantor romântico. Escuto muito a música sertaneja antiga, de nomes como Milionário e Zé Rico, Trio Parada Dura, Chitãozinho e Xororó e Leandro e Leonardo. Mas também adoro (o porto-riquenho) Luis Miguel, (o mexicano) Cristian Castro e (o espanhol) David Basbal”, explica Eduardo que vive um ótimo momento na vida profissional, com a bem sucedida turnê do álbum “ Cabaré”, lançado por ele e o amigo Leonardo no final do ano passado.<\/p>\n

 Faixa que dá nome ao disco, Vivendo e Aprendendo<\/strong> tem essa pegada romântica da qual Eduardo Costa<\/strong> fala. Com jeito de bolero revestido com um violão tipo espanhol, a canção fala de uma mulher que se arrependeu de ter ido embora, e não consegue mais ter o amado de volta. “Todo disco de música sertaneja que se preze tem que ter um chamamé e um bolero. Os meus costumam também ter guarânia e pelo menos uma música mais agitada. Vivendo e Aprendendo<\/strong> tem um pouco de tudo e muito da música flamenca. Minhas canções que mais deram certo foram as românticas”, diz.<\/p>\n

 O amor, os encontros e os desencontros são os temas mais abordados nas 15 canções do novo trabalho do músico mineiro, inclusive quando o intérprete deixa a balada de lado para colocar os fãs para dançar. No rastro do sucesso de Os 10 mandamentos do amor<\/strong>, uma das canções gravadas por Eduardo Costa<\/strong> e na lista das mais executadas no país em 2014, há uma faixa mais agitada no repertório de seu novo trabalho: Sapequinha<\/strong> tem pegada latina e um refrão cheio de boas intenções: “Ô ô ô, ô ô ô \/ Vamos brincar de besteirinha \/ Brincar de fazer amor”, canta ele. Protagonizado por Eduardo junto à atriz Yanna Lavigne (no ar na novela Babilônia da Rede Globo), o clipe desse primeiro single não fica atrás de nenhum vídeo estrangeiro em termos de produção.<\/p>\n

 Inspirado por uma hashtag que tem como intenção o desabafo, Eduardo Costa<\/strong> compôs Pronto Falei<\/strong>. A canção abre o álbum derramando saudade, enquanto Você Tem Razão<\/strong> transborda toda dor que a ausência pode causar em um homem apaixonado. Com arranjo a la Gipsy Kings – outra das influências do músico – Eu Amei Demais<\/strong> é romântica, mas não sofrida como a faixa que vem logo depois, no álbum: Fala<\/strong> é, como ele mesmo diz, “de rasgar o coração”.<\/p>\n

 “Esse é um disco de sofrência. Quando faço música, sou igual a um autor de novela. Posso não estar sofrendo, mas incorporo o personagem e me inspiro. Faço muitas letras sofridas, mas não de corno. O tema da briga é que é muito constante nas minhas composições”, indica.<\/p>\n

Apelou Perdeu<\/strong> veio assim, da imaginação fértil do compositor. Escrita em Goiânia durante uma noite chuvosa, a canção surgiu a partir do sentimento de ausência que é potencializado em dias frios ou molhados. Tem Que Ter Um Fim <\/strong>é um bolero ao estilo de Milionário e Zé Rico, com trompete e cordas. Mais uma da leva de novas canções flamencas de Eduardo Costa<\/strong>, Se Deus Quiser <\/strong>é uma das músicas mais otimistas do repertório. “É sobre um cara que gosta da mulher e só tem elogios a ela. Acho que é a música mais feliz do disco”, brinca o músico.<\/p>\n

 Em Uma Nova História<\/strong>, assim como em Eu, Você e Deus<\/strong>, o cantor também faz declarações de amor. Muito romântica, a segunda é daquelas que dão vontade de chorar ou de abraçar bem forte a (o) companheira (o). Para o músico, é uma canção de fé: “Sempre peço a Deus para iluminar meu trabalho e não deixar que eu faça qualquer coisa por dinheiro. Quero sempre cantar por amor. E acho que costumo ser ouvido, pois nunca gravei um disco pensando no lucro que ele poderia me dar. Eu só gravo o que gosto, os meus desabafos, e fico sempre esperando que as pessoas me entendam e gostem. A música é minha vida e é meu meio de vida”, confessa.<\/p>\n

 Me Matou e Morreu<\/strong> é um soco no estômago daquele que não estava preparado, mas viu “um outro” ao lado da mulher amada. “Você sofre calada \/ E eu sofro também \/ Me sentindo perdido \/ Vivendo sozinho \/ E você com alguém”, diz o bolero sofrido. Mais animada no arranjo – valorizado pelo violão flamenco e pelo som de castanholas – Eu Apostei <\/strong>também foi feita numa noite de chuva. “Não passa, não sara \/ Só de ouvir seu nome o coração dispara”, canta ele. Mesmo quando celebra o seu próprio amor, Eduardo Costa<\/strong> romantiza. Por Vinte Anos<\/strong> foi feita em homenagem ao relacionamento com Ana Paula, namorada há poucos meses, mas conhecida sua há 20 anos. “Por vinte anos te esperei \/ Por muitos anos quis chorar \/ Mas você tinha outra pessoa \/ Ocupando o meu lugar”, canta ele para a amada.<\/p>\n

 “O álbum termina com Um Louco<\/strong>, uma música de Ivan Medeiros e Zé Henrique gravada pela dupla Zé Henrique e Gabriel, da qual gosto muito! Gravei para experimentá-la e ficou tão bonita… Quase a tirei do repertório porque queria um álbum 100 por cento autoral, mas acabei resolvendo deixá-la como faixa bônus. Vai que eu tiro o maior sucesso do disco? Preferi não arriscar”, finaliza.<\/p>\n

 O CD chega amanhã nas lojas de todo o Brasil.<\/span><\/p>\n

\"ec\"<\/span><\/p> <\/div>\n\n \n